5 - Dados de Reatividade

Estabilidade/Polimerização: Amônia Anidra é estável quando armazenado e usado sobre condições normais de estocagem e manuseio. Acima de 450ºC pode se decompor liberando nitrogênio e hidrogênio. Não ocorre polimerização.

Incompatibilidade Química: Este produto é um gás alcalino que emite calor quando reage com ácido. Em contato com halogênios, boro, 1.2 declorectano, óxidos de clileno, platina, triclorato de nitrogênio e fortes oxidantes, pode causar reações potencialmente violentas ou explosivas. Em contato com metais pesados e seus compostos pode formar produtos explosivos. Em contato com cloro e seus compostos pode resultar a liberação de gás cloroamina. Amônia produz significativa mistura explosiva quando em contato com hidrocarbonetos. O produto também é incompatível com aldeído acético, acrofeína, hidraxina, ferrocianeto de potássio.

Produtos Perigosos da Decomposição: Decomposição térmica do NH3, pode produzir gases nitrosos tóxicos.


  6 - Riscos a Saúde

Amônia Anidra não é considerada cancerígena pela OSHA.

Resumo de riscos: Devido à grande solubilidade em água, o gás amônia dissolve-se nas mucosas dos olhos e trato respiratório superior exercendo efeito irritante e dano celular pela sua ação cáustica alcalina. O contato com amônia líquida pode causar severas queimaduras nos olhos e na pele. A inalação do gás em grandes concentrações pode inibir os reflexos e causar morte. Devido às características físicas da amônia anidra, os acidentes por ingestão são pouco prováveis, podendo ocorrer, entretanto, queimaduras na boca, faringe, esôfago e estômago.

Principais partes atingidas: aparelho respiratório, olhos e pele.

Efeitos agudos: A inalação pode causar dificuldade respiratória, broncoespasmo, queimadura nas mucosas da boca, faringe e laringe, constricção e dor torácica e salivação. Dependendo da concentração e do tempo de exposição, o quadro respiratório pode evoluir com edema e espasmo de glote, asfixia, cianose, edema pulmonar, parada respiratória e morte. O contato da amônia líquida com a pele pode causar queimaduras graves. A exposição dos olhos à amônia na forma gasosa pode causar lacrimejamento, vermelhidão e inchação das pálpebras. Os acidentes com amônia líquida são sempre graves, podendo causar perda permanente da visão.

Efeitos crônicos: A exposição repetida ao produto pode causar bronquite crônica.

PRIMEIROS SOCORROS

Inalação: Remova a vítima para área não contaminada e arejada e administre oxigênio, se disponível, sob máscara facial ou catéter nasal. Aplique manobras de ressucistação em caso de parada respiratória. Encaminhe imediatamente ao hospital mais próximo. Olhos: O atendimento imediato é fundamental. Os primeiros 10 segundos são críticos para evitar cegueira. Lave os olhos com água corrente durante 15 minutos, levantando as pálpebras para permitir a máxima remoção do produto. Após esses cuidados encaminhe imediatamente ao médico oftalmologista. Pele: Retire rapidamente as roupas e calçados contaminados e lave as partes atingidas com água corrente em abundância durante 15 minutos. Encaminhar ao médico. Ingestão: Nunca dê nada pela boca a pessoas inconscientes ou em estado convulsivo. O acidentado consciente pode ingerir água ou leite, sempre aos poucos para não induzir vômitos. Não provocar vômitos. Encaminhar ao médico informando as características do produto.

Nota ao Médico: A rápida penetração da amônia líquida nos tecidos do olho pode provocar perfuração da córnea, catarata tardia ,glaucoma, irite e atrofia da retina. Acidentes por inalação de gases irritantes requerem observação médica para a prevenção de edema pulmonar de instalação tardia.


« Página anterior 1   2   3   4   5 Próxima página » IMPRIMIR